Baterias LFP. Esta é a tecnologia que está a revolucionar o preço dos elétricos

1 mes atrás 50

Conheçam as vantagens e desvantagens das baterias LFP e o impacto que esta tecnologia pode ter no preço dos automóveis elétricos.

O mercado dos veículos elétricos não para de evoluir, mas para fazer face aos preços elevados que os acompanham vão ser precisas baterias mais acessíveis. E as baterias de fosfato de ferro-lítio (LFP) têm sido apontadas como uma das soluções para isso mesmo.

Esta tecnologia tem vindo a ganhar relevância na indústria automóvel devido à sua maior segurança, à vida útil mais longa e ao facto de ter um custo mais baixo por kWh (quilowatt-hora) por comparação com as «tradicionais» baterias de iões de lítio.

Neste artigo, vamos explorar o que são as baterias LFP, perceber como elas estão a baixar os custos dos veículos elétricos e descobrir quais as suas vantagens e desvantagens em comparação com outras tecnologias.

Impacto direto no custo dos elétricos

As baterias LFP são um tipo de bateria de iões de lítio que utilizam fosfato de ferro-lítio como material de cátodo (elétrodo negativo).

Cada vez mais vistas como uma alternativa às baterias de níquel, cobalto e manganês (NCM) que a maioria dos construtores europeus utiliza, as baterias LFP já há muito que estão a ser usadas pelos construtores chineses, como por exemplo a BYD:

Também já está presente, atualmente, nas versões de entrada dos Tesla Model 3 e Model Y, e já confirmada no Ford Mustang Mach-E, este tipo de baterias tem no preço a sua maior vantagem.

Essa redução dos custos resulta, em grande parte, da utilização de materiais mais acessíveis e abundantes. Enquanto as baterias NCM utilizam cobalto e níquel, que são materiais mais caros, mais raros e menos sustentáveis, as baterias LFP usam (entre outras coisas) ferro, que é um elemento mais barato e facilmente disponível.

Quais as vantagens das baterias LFP?

Resumidamente, as baterias LFP são mais seguras, têm uma vida útil superior, são mais sustentáveis e mais baratas. Destacam-se ainda por terem uma maior estabilidade térmica e química, o que reduz o risco de incêndios e explosões.

Tesla Model YA Tesla já está a usar baterias LFP nas versões de acesso à gama do Model 3 e do Model Y

Além disso, as baterias LFP têm um ciclo de vida mais longo do que as tradicionais baterias NCM.

Num estudo feito em 2020 pelo Journal of The Electrochemical Society, ficou demonstrado que as baterias LPF conseguiam suportar mais de 2000 ciclos de carga/descarga, com pouca degradação, mantendo 90% da sua carga original. Já as NCM (ou NMC), ao fim de pouco mais de 1000 ciclos já demonstravam maior degradação, abaixo dos 90%.

A sustentabilidade também é um fator que não pode ser ignorado, uma vez que este tipo de baterias não recorre a materiais raros e menos sustentáveis como são o cobalto e o níquel.

E isso ajuda a explicar o facto destas baterias serem significativamente mais baratas entre 20% a 30% que as NCM, permitindo tornar os veículos elétricos mais acessíveis.

E as desvantagens?

Quanto às desvantagens, estão relacionadas quase em exclusivo com o facto das baterias LFP terem uma densidade energética inferior às típicas baterias de iões de lítio NCM, o que naturalmente resulta numa menor autonomia.

Isto traduz-se em valores de 130-160 Wh/kg para as baterias LFP (desenvolvimentos recentes chegaram perto dos 190 Wh/kg), enquanto as baterias NCM rondam os 230-250 Wh/kg (há casos em que superam os 300 Wh/kg).

Ou seja, uma bateria LFP do mesmo tamanho de uma bateria NCM terá sempre uma capacidade inferior e se quiser igualar a capacidade teremos de adicionar mais células, logo, mais peso.

Ford Mustang Mach-E a carregar vista dianteira 3/4© Ford O Ford Mustang Mach-E também vai ter versões com baterias LFP

Outra das desvantagens passa pela resistência a temperaturas baixas (por outro lado, tem uma boa resistência às altas temperaturas), o que naturalmente vai prejudicar o rendimento da bateria nessas condições (a capacidade da bateria será inferior a baixas temperaturas), bem como a eficiência dos carregamentos.

Ler artigo completo