Cabo Verde atribui pensão a familiares de militares mortos em incêndio

11 meses atrás 183

De acordo com os documentos, publicados em Boletim Oficial, a mãe de um ex-sargento natural de Tarrafal de Santiago vai receber o valor mais elevado da pensão a preço de sangue, de 766.930 escudos (6.955 euros) anuais, correspondendo a 63.910 escudos por mês (579 euros).

Logo a seguir surge a mãe e tutora do filho menor de um ex-cabo, natural de Santa Cruz, mas que residia na Praia, que vai receber 383.040 escudos (3.473 euros) anuais, equivalente a 31.920 escudos mensais (289 euros).

Os herdeiros hábeis de um ex-segundo cabo e de três soldados vão receber uma pensão anual de 191.520 escudos (1.736 euros) cada, que dá um valor de 15.960 escudos (144 euros) por mês.

Segundo as Forças Armadas, os processos de dois ex-segundo cabos estão em andamento para esclarecimento dos herdeiros hábeis que vão receber a pensão a preço de sangue.

Em 02 de abril, oito militares cabo-verdianos morreram num acidente de viação quando seguiam para o combate ao incêndio que deflagrou na Serra da Malagueta e Figueira das Naus, a cerca de 50 quilómetros a norte da cidade da Praia.

O camião, que transportava o segundo contingente militar de apoio ao combate ao incêndio, tinha partido de manhã da Praia, com 31 militares, três na cabine e 28 na carroçaria, tendo como destino Figueira das Naus para a Ribeira da Prata.

O número de vítimas mortais subiu para nove, com a morte de um técnico do Parque Natural da Serra da Malagueta.

Na altura, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, garantiu a atribuição das pensões, tal como foi feito no caso de Monte Tchota, um destacamento militar em São Domingos, ilha de Santiago, quando em 2016 um militar matou a tiro outros oito, bem como três civis.

Em maio, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (CEMFA), António Duarte Monteiro, admitiu que o condutor da viatura terá perdido o controlo do camião e "entrado em pânico".

"Há estes dois fatores. O fator humano e o fator contributivo, que tem a ver efetivamente com a falha na mudança, na redução ou aumento da marcha. E não tendo conseguido fazer essa alteração da marcha, [o condutor] entendeu que devia embater o camião na rocha para tentar reduzir a marcha em que seguia", afirmou.

De acordo com o CEMFA, o inquérito concluiu igualmente sobre sete ações a serem adotadas pelas Forças Armadas para "incrementar a segurança operacional nos meios de transporte terrestres", cuja implementação "se iniciará de imediato".

O incêndio atingiu o Parque Natural da Serra Malagueta, destruindo quase 850 hectares de terreno rural e florestal, segundo o levantamento feito por um investigador da Universidade do Algarve.

Na semana passada, o Presidente da República, José Maria Neves, destacou a "seriedade e profissionalismo" das Forças Armadas na condução do inquérito e espera a adoção de medidas pelo Governo e pelo Estado-Maior para evitar mais mortes.

Para o chefe de Estado, que é comandante supremo das Forças Armadas, mesmo com este caso, a instituição castrense cabo-verdiana continua a ser uma das "mais credíveis" do país e exortou a corporação a manter o "espírito republicano de rigor, de patriotismo e de generosidade" com que tem servido o país.

Leia Também: Portugal e Cabo Verde assinam hoje acordo sobre Fundo Climático Ambiental

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

Ler artigo completo