Camionistas bloqueiam estradas entre África do Sul e Moçambique contra subida de preços

1 mes atrás 17

Os camionistas da África do Sul realizaram um protesto contra o aumento do preço dos combustíveis, que aumentaram para um valor recorde. Combustível vale quase 5% do cabaz de preços.

Camiões estacionados à beira da estrada na fronteira de Machipanda, a principal terrestre entre Moçambique e Zimbabué - ligando o porto da Beira, no Oceano Índico, aos países africanos do interior, em Manica, Moçambique, 02 de setembro de 2020. Cerca de 200 camionistas atravessam por dia a fronteira de Machipanda segundo dados dos Serviços de Migração de Manica. Um grupo de 245 camionistas já foram colocados em quarentena em Manica, após estarem em países de risco e manifestarem sintomas leves, durante o primeiro Estado de Emergência que terminou em julho. (ACOMPANHA TEXTO DA LUSA DO DIA 05 DE SETEMBRO DE 2020). ANDRÉ CATUEIRA/LUSAi

O combustível vale quase 5% do cabaz que compõe o índice de preços

ANDRÉ CATUEIRA/LUSA

O combustível vale quase 5% do cabaz que compõe o índice de preços

ANDRÉ CATUEIRA/LUSA

Várias estradas que ligam Moçambique à África do Sul foram esta quarta-feira de manhã bloqueadas por condutores de camiões que estacionaram os veículos e foram-se embora, em protesto contra o aumento dos preços dos combustíveis nos dois países.

De acordo com a agência de informação financeira Bloomberg, a estrada entre Mbombela, 350 quilómetros a este de Joanesburgo, e o White River, foi bloqueada por camiões estacionados, o mesmo acontecendo na N4, a autoestrada que liga a cidade à fronteira com Moçambique e ao porto de Maputo, disse o gestor de operações regionais da companhia de segurança Nelspruit, Callum MacPherson.

Os preços da gasolina e do gasóleo na África do Sul aumentaram para um valor recorde esta quarta-feira, dia em que o Governo reduziu o subsídio que dava à compra de combustíveis.

O combustível vale quase 5% do cabaz que compõe o índice de preços, o que vai colocar ainda mais pressão nos rendimentos das famílias e da inflação.

Os protestos dos camionistas sul-africanos surgem na mesma altura de várias greves em Moçambique em protesto contra a subida dos preços dos combustíveis, que terminaram com a promessa do Governo de comparticipar algumas tarifas dos transportes públicos, com a ajuda do Banco Mundial.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ler artigo completo