Carros elétricos podem ficar muito mais baratos e há um razão forte para isso

11 meses atrás 95

Lítio. Este é o elemento que nos últimos anos se tornou no chamado ouro branco. O preço deste importante componente para o fabrico das baterias aumentou até 2022. Contudo, algo surpreendente aconteceu e isso poderá significar que o seu carro elétrico pode deixar de ser apenas um sonho e materializar-se muito em breve!

O preço dos carros elétricos está a baixar

Muitas pessoas não têm um elétrico porque ainda é caro adquirir um veículo deste novo segmento. E um dos elementos que mais contribui para os preços altos dos elétricos é o valor da bateria, onde o lítio é o principal elementos.

De acordo com a agência de informação de preços Benchmark Minerals, desde janeiro, o preço do lítio caiu quase 20%. Uma queda acentuada que chegou numa altura em que as vendas de automóveis elétricos crescem. O cobalto, outro material chave em muitas baterias, diminuiu mais de metade. O cobre, essencial para motores elétricos e baterias, caiu no preço em 18%. E tudo isto numa altura em que a procura aumenta e novas minas em locais como os Estados Unidos e o Peru estão a ser apressadas a entrar em funcionamento.

Estas mudanças abruptas de preços têm até confundido muitos analistas que tinham previsto que os preços permaneceriam elevados ou mesmo subiriam este ano, atrasando a transição energética nos transportes, mas também nas energias renováveis.

Em vez disso, a queda dos preços das matérias-primas tornou mais fácil para os fabricantes de automóveis reduzir os preços dos seus produtos elétricos, ou aumentar as margens de lucro.

Uma das primeiras medidas veio no início de janeiro, quando Tesla cortou os preços nos elétricos Model 3 e Model Y, e mais tarde fez o mesmo com o Model S e o Model X.

Nalguns casos, estas reduções ultrapassaram os 10%, acendendo o rastilho de uma guerra de preços que, como podemos ver, também tem outro papel fundamental a desempenhar na redução dos custos dos componentes.

Os especialistas dizem que os preços de componentes como o lítio podem continuar a baixar devido a fatores como a procura mais fraca do que o esperado na Europa e na China, onde as mudanças nos programas de apoio abrandaram um pouco as vendas no início do ano.

Imagem do ouro branco, o lítio, fundamental para os carros elétricos

Mas outras vozes da indústria disseram que a queda poderia ser devida à entrada em funcionamento de novas minas e fábricas de processamento, que tinham aumentado a oferta e, por conseguinte, reduzido os preços.

A questão é que mesmo após uma queda tão acentuada no preço, os preços do lítio permanecem tão elevados que a extração e processamento do metal é um negócio extremamente lucrativo. O metal adequado para baterias custa entre $5.000 e $8.000 por tonelada a produzir. É vendido por 10 vezes esse montante. Aliás, Elon Musk disse que mesmo que é uma espécie de "máquina de imprimir de dinheiro".

Dadas estas enormes margens de lucro, os investidores estão ansiosos por investir o seu dinheiro em projetos de mineração e processamento. Mesmo os governos estão a dar grandes somas de dinheiro a novos projetos de lítio, o que no papel deveria resultar num aumento da produção, e em preços mais baixos.

Contudo, outros peritos advertem que o oposto pode ser verdade. De acordo com estimativas do governo dos EUA, o fornecimento de lítio precisa de aumentar 42 vezes até 2050 para satisfazer a procura de sectores como os carros elétricos e os apoios estacionários.

Pilha de sódio poderá ser uma alternativa mais barata

O problema, segundo José W. Fernández, Subsecretário para o Crescimento Económico, Energia e Ambiente do Departamento de Estado, reside no processamento deste lítio. O metal é abundante e grandes depósitos de lítio estão a ser descobertos em todo o mundo. Mas o processamento do lítio é muito mais limitado, e está principalmente nas mãos da China.

A maioria das refinarias de lítio encontram-se na China, e poucas empresas fora do país sabem como construir fábricas de processamento de lítio. O quase monopólio de Pequim sobre um recurso essencial alarmou a administração Biden, que atribuiu dezenas de milhares de milhões de dólares para encorajar as empresas ocidentais a desenvolver minas e refinarias de lítio nos Estados Unidos ou em países com os quais partilha laços políticos e económicos estreitos, tais como o Canadá ou o México.

Uma das alternativas que está a ganhar ímpeto é a das pilhas de sódio. Em apenas alguns meses, estes acumuladores passaram da irrelevância para a primeira página das notícias, e querem tornar-se uma opção ainda mais económica e sustentável.

Temos visto um exemplo do impacto que o sódio pode ter com o cobalto. Este material controverso, como mencionado acima, também está a entrar em colapso em termos de preço. Isto deve-se principalmente à explosão da procura de baterias de fosfato de ferro e lítio (LFP), que não deixaram de ver a sua quota de vendas aumentar, permitindo-lhes deslocar gradualmente aqueles com cobalto, afetando a sua procura e preço.

Resta agora ver onde cairá o preço do lítio, que, como nos lembramos, desceu em 2020, com um preço de apenas 5.600 dólares por tonelada, atualmente já está nos 44.700 dólares por tonelada, longe dos seus máximos históricos de 2022, quando atingiu 88.600 dólares por tonelada. O seu carro elétrico pode deixar de ser um sonho, em breve.

Ler artigo completo