Costa recorda Mário Soares e derrota do totalitarismo pelos socialistas portugueses

11 meses atrás 239

20 abr, 2023 - 21:09 • Lusa

Secretário-geral do PS recorda relação de amizade entre o antigo Presidente da República e o antigo chanceler alemão Willy Brandt.

O secretário-geral do PS recordou, esta quinta-feira, a relação de amizade entre os antigos Presidente da República Mário Soares e chanceler alemão Willy Brandt, aludindo à "possibilidade de os socialistas portugueses serem capazes de derrotar" o totalitarismo em 1974.

De acordo com António Costa, o antigo chanceler alemão social-democrata acreditava no otimismo de Mário Soares.

"Era sobretudo uma visão realista relativamente ao futuro", disse, lembrando que o também antigo primeiro-ministro estava em Bona, Alemanha, no dia 24 de abril de 1974 - véspera da Revolução dos Cravos.

António Costa falava à margem da inauguração da exposição da Fundação Chanceler Willy Brandt na Fundação Mário Soares e Maria Barroso (FMSMB), em Lisboa.

"O país deve muito (...) ao facto desse apoio, da família social-democrata, por ter permitido a consolidação da democracia e depois a viabilização da entrada de Portugal na então CEE [Comunidade Económica Europeia]", a 1 de janeiro de 1986, acrescentou.

Costa homenageia Mário Soares, o socialista que "transcendeu em muito o PS"

O evento desta quinta-feira contou também com as intervenções da presidente da FMSMB, Isabel Soares, e do ex-presidente do Parlamento Europeu e atual presidente da Fundação Friedrich Ebert (FES), Martin Schulz.

A exposição biográfica sobre Willy Brandt e a amizade com Mário Soares, promovida pela FES e pela FMSMB, estará patente entre esta quinta-feira e 31 de julho deste ano, depois de ter passado por Espanha, Rússia, Noruega e Polónia.

Em novembro de 2004, o ex-Presidente da República Mário Soares considerou o ex-chanceler alemão Willy Brandt "um gigante" da política mundial do século XX.

"Willy Brandt foi um gigante do século XX, uma das dez personalidades que marcaram o último século", afirmou Mário Soares, na ocasião.

O ex-Presidente da República disse que foi dos últimos estadistas europeus a visitar Willy Brandt (que faleceu em 1992, vítima de cancro, com 78 anos) enquanto primeiro-ministro da República Federal Alemã, a 2 de maio de 1974.

"O 25 de Abril tinha acontecido há poucos dias e o general Spínola (Presidente da República na altura) nomeou-me para explicar a revolução em toda a Europa", recordou o ex-primeiro-ministro socialista falecido a 7 de janeiro de 2017.

"Contra o populismo". Costa avisa que PS "terá sempre uma guerra pela frente"

Considerado o patriarca da social-democracia alemã e mundial, o antigo chanceler alemão e ex-presidente da Internacional Socialista (IS) dirigiu a Alemanha entre 1969 e 1974.

Em 1971, foi laureado com o premio Nobel da Paz pela sua política de desanuviamento com o leste europeu.

Um ano depois, Bona e Berlim assinavam o tratado interalemão, selando a divisão da Alemanha do pós-guerra ao reconhecer a existência de dois estados em solo alemão.

O tratado "não eliminará à partida as barreiras que nos separam, mas abrirá vias que há muito estavam fechadas", disse Brandt na altura, pela rádio.

Demitiu-se da chefia do governo em 1974, após o anúncio de que um dos seus principais conselheiros era um espião a soldo da República Democrática Alemã (RDA), mas continuou a encabeçar campanhas contra a pobreza mundial e a favor do desarmamento.

Destaques V+

Ler artigo completo