Diz que deu "milhares de euros" em vez de tirar, usa um palavrão para a maçonaria e na foto refere "chantagem e coação": bastonária dos enfermeiros reage à acusação de peculato

1 mes atrás 31

Ataca o Ministério Público (MP) e a maçonaria (com um palavrão pelo meio) e nega ter desviado dinheiro: "Ao contrário, dei do meu bolso milhares de euros a Enfermeiros". Foi através de uma publicação no Facebook que a bastonária da Ordem dos Enfermeiros reagiu à acusação do Ministério Público de peculato e falsificação de documentos.

O texto está repleto de mensagens - a começar pela imagem que utiliza e na qual se lê "chantagem e coação dão-nos mais força e união". Ana Rita Cavaco escreve que ao longo de sete anos de mandato ela e o conselho diretivo foram alvo de "sindicâncias políticas e denúncias anónimas, reportagens difamatórias e uma investigação onde estávamos indiciados de tudo: despesas de representação indevidas, subsídio de almoço indevido, aluguer de casas indevido, subsídios indevidos de função, vencimentos indevidos e todos os quilómetros efectuados em 2016 indevidos". Mas a bastonária desmente tudo: "Nunca, nunca o fiz. Ao contrário, dei do meu bolso milhares de euros a Enfermeiros individualmente. É meu e faço o que quero com o meu dinheiro. Passados sete anos de investigações, repito, sete anos de investigações, o MP concluiu que recebi indevidamente 10 mil euros por quilómetros, inclusivamente justificando que estaria fora do País quando o meu bilhete de avião prova o contrário". 

A bastonária dos Enfermeiros diz que nestes últimos sete anos geriu 70 milhões de euros e que percorreu o país de Norte a Sul pela luta da sua classe: "Percorri este país de ponta a ponta, conforme os enfermeiros podem confirmar. Eu sei, melhor que ninguém, que neste País não fica bem ver uma Bastonária na rua junto dos seus, mas é onde sempre disse que estaria e irei continuar". 

"Se a ideia é vergar-me agora, logo agora a finalizar o segundo mandato daqui a 11 meses, desistam", acrescentou. Feitos os ataques ao MP, segue-se o ataque à maçonaria, que, afirmou a bastonária, "tem muita gente boa mas também muitos merdosos que nos tentaram extorquir dinheiro". "O único avental que uso é na cozinha, adoro cozinhar, como o meu Pai."

Ana Rita Cavaco foi acusada dos crimes de peculato e falsificação de documentos no âmbito de um processo-crime no qual foi investigado o pagamento indevido de quilómetros que nunca foram percorridos. No acórdão do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, a que a CNN Portugal teve acesso, além da bastonária foram ainda acusadas mais 13 pessoas que adulteraram informação "com o intuito de obter um benefício que sabiam ser ilegítimo", nomeadamente através do "forjamento de mapas de deslocação, declarando quilómetros que não percorreram".

De acordo com a acusação, entre 14 de março de 2016 e 19 de outubro do mesmo ano, Ana Rita Cavaco "forjou mapas de deslocação" declarando ter percorrido 58.947km quando, segundo o MP, entre 27 de agosto de 2015 e 20 de outubro de 2016 percorreu 29.416km. Existe entre os quilómetros declarados e os percorridos uma diferença de 29.531km, o que significa que a bastonária dos Enfermeiros "recebeu a quantia de €10.631,16 que não lhe era devida". 

Este esquema alegadamente levado a cabo pelas 14 pessoas acusadas ultrapassa os 63 mil euros em pagamentos indevidos. Se todos estes factos ficarem provados em julgamento, esse dinheiro terá de ser devolvido ao Estado. 

2023-01-30 20:48 Cláudia Évora

Ler artigo completo