Guterres assinala Dia Mundial dos Refugiados com pedido de mais "apoio e solidariedade"

8 meses atrás 241

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, assinalou esta terça-feira o Dia Mundial dos Refugiados pedindo mais "apoio e solidariedade" para os homens, mulheres e crianças que travam estas jornadas difíceis, ao invés de "fronteiras fechadas e bloqueios".

Numa mensagem em vídeo divulgada em várias plataformas das Nações Unidas, Guterres recordou a sua década de serviço como Alto Comissariado da ONU para os Refugiados, quando testemunhou em primeira mão a resiliência e as contribuições dos refugiados "em todas as esferas da vida".

"A sua perseverança perante a adversidade inspira-me todos os dias. Os refugiados representam o melhor do espírito humano. Eles precisam e merecem apoio e solidariedade, não de fronteiras fechadas e de bloqueios", defendeu.

The perseverance of refugees in the face of adversity inspires me every day.

They need & deserve support & solidarity - not closed borders & pushbacks.

This #WorldRefugeeDay, I call on the world to match their courage with opportunity. pic.twitter.com/NJfOpD53js

- António Guterres (@antonioguterres) June 20, 2023

No Dia Mundial dos Refugiados, o ex-primeiro-ministro português lembrou os mais de cem milhões de pessoas que vivem em países abalados por conflitos, perseguições, fome e caos climático e que foram forçadas a fugir das suas casas.

"Estes não são números apenas no papel. São mulheres, crianças e homens que fazem viagens difíceis - muitas vezes enfrentando violência, exploração, discriminação e abuso. Este Dia lembra-nos do nosso dever de proteger e apoiar os refugiados, e da nossa obrigação de criar novas formas de apoio, incluindo soluções para realojar refugiados e ajudá-los a reconstruir as suas vidas com dignidade", afirmou.

O líder da ONU pediu um maior apoio internacional aos países que recebem refugiados, conforme previsto no Pacto Global para Refugiados, e um aumento no acesso à educação de qualidade, ao trabalho digno, à assistência médica, ao alojamento e à proteção social.

"Precisamos de uma vontade política muito mais forte para fazer a paz, para que os refugiados possam retornar com segurança para as suas casas", frisou.

"O tema deste ano é 'Esperança Longe de Casa'. Apelo ao mundo para que aproveite a esperança que os refugiados carregam nos seus corações. Vamos combinar a sua coragem com as oportunidades de que precisam, em todas as etapas do caminho", concluiu.

Ler artigo completo