Justiça brasileira retém passaporte de ex-jogador Robinho devido a condenação italiana

11 meses atrás 99

"Enquanto o Superior Tribunal de Justiça (STJ) analisa o pedido de homologação da sentença italiana que condenou o jogador Robinho à pena de nove anos de prisão pelo crime de estupro, o ministro Francisco Falcão proibiu o atleta de deixar o país. Ele deve entregar o passaporte ao STJ no prazo de cinco dias", lê-se no comunicado do tribunal.

O sistema judicial do país europeu condenou Robinho a nove anos de prisão por participar na violação em grupo de uma jovem albanesa em Milão, em 2013.

Segundo a declaração divulgada pela entidade brasileira, o juiz considerou as "indicações" de que o ex-jogador de futebol "tentou fugir à lei penal italiana" e, também, "poderia sair do Brasil para evitar cumprir a sua pena".

De acordo com a decisão, o passaporte do jogador deve ser entregue diretamente ao STJ.

Em outubro passado, a Itália solicitou a extradição do ex-atacante do Real Madrid e AC Milão após a sua condenação por violação, mas de acordo com a Constituição brasileira, é proibida a extradição de nacionais.

Por conseguinte, a Itália solicitou que a sentença fosse cumprida no seu país de origem.

Os acontecimentos ocorreram em 2013 quando, segundo as investigações, Robinho alegadamente obrigou a mulher de então 23 anos a beber até ficar inconsciente e depois obrigou-a a ela e a um grupo de amigos a fazerem sexo no vestiário de uma discoteca sem que ela pudesse resistir.

Na altura, o futebolista tinha um contrato com o Milan, onde jogou durante quatro temporadas (2010-2014).

Ler artigo completo