Moldávia volta a estar no centro do furacão da guerra na Ucrânia

2 meses atrás 21

A possibilidade de a Moldávia aderir ao Plano de Ação da União Europeia sobre Direitos Humanos e Democracia e as movimentações tendentes à aproximação entre o pequeno país e o bloco dos 27 – que se tem acentuado ao longo deste mês – não são, como se poderia esperar, do agrado da Rússia.
Vale a pena recordar que, no início da invasão, em fevereiro do ano passado, a Moldávia foi identificada como o mais provável alvo seguinte da fúria do presidente russo, Vladimir Putin – muito por causa da existência de uma forte concentração regional de russos, mais propriamente na Transnístria. Esse primeiro momento de aflição acabou por passar, com a Moldávia a encolher-se pelo meio dos pingos da chuva. Mas o regresso do país à agenda da União já fez a Rússia reagir. Esta quinta-feira, Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, disse que o seu país será obrigada a tomar as “medidas apropriadas” se a Moldávia aderir às sanções anti-russas da União Europeia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler artigo completo