Muçulmana perde processo legal contra escola que a proibiu de rezar

1 mes atrás 57

Uma estudante muçulmana perdeu o processo legal que moveu contra uma escola de Londres, no Reino Unido, por ter sido proibida de rezar.

De acordo com a Sky News, a aluna, que não pode ser identificada por razões legais, moveu a ação contra a Michaela Community School, localizada em Brent, no norte de Londres, alegando que a política da escola "afeta" a sua fé, uma vez que a oração é um dos cinco pilares da sua religião.

Ao Superior, a estudante argumentou que é este "tipo de descriminação que faz com que as minorias religiosas se sintam alienadas da sociedade".

Já os advogados de Defesa da escola, que já foi considerada uma das mais rigorosas do Reino Unido, alegaram que esta política da Michaela Community School é "justificada" e “proporcional” pelo facto de esta já ter enfrentando, anteriormente, "ameaças de bomba ligadas a rituais de oração".

Na rede social X, antigo Twitter, a diretora da escola Katharine Birbalsingh defendeu que na Michaela Community School "as crianças de todas as raças e religiões podem prosperar", sublinhando, contudo, que esta foi uma "vitória para todas as escolas", uma vez que estas não podem ser forçadas a mudar "porque uma aluna e a sua mãe não gostam de alguma coisa".

A ministra da Educação britânica, Gillian Keegan, também já reagiu, descrevendo a escola como “excelente”, cujos diretores estão "completamente aptos para tomar decisões".

Já a aluna que instaurou o processo, disse à Sky News que, apesar de ter perdido a ação, sente que fez "a coisa certa ao tentar contestar a proibição". "Dei o meu melhor e fui fiel a mim mesma e à minha religião", realçou.

A escola em questão tem, segundo a Sky News, 700 alunos dos quais cerca de metade são muçulmanos.

Leia Também: Mais de 1,5 milhão de fiéis rezaram na Esplanada das Mesquitas

Ler artigo completo