Organização da sociedade “leva a que o casamento seja pouco apelativo”

6 dias atrás 18

14 mai, 2022 - 08:30 • Henrique Cunha

Em declarações à Renascença, Francisco Pombas, da Pastoral Familiar, diz que está na altura de mudar para enfrentar os desafios do "inverno demográfico" na Europa.

O problema do “inverno demográfico” em Portugal “é precipitado pelo aumento do número de divórcios e pelo facto de os portugueses casarem cada vez mais tarde”, afirma diretor do departamento nacional da Pastoral Familiar, Francisco Pombas.

Em declarações à Renascença, Francisco Pombas destaca que os jovens continuam a ver na família um pilar fundamental, mas o problema reside na forma como a sociedade está organizada.

O responsável entende que merece particular reflexão a preocupante realidade demonstrada sobre “a redução do número de casamento e o aumento de divórcios, a que se junta o facto de a idade em que as pessoas resolvem casar ter vindo a subir de forma consecutiva”.

Francisco Pombas junta-lhe “o baixo número de pessoas que constituem as famílias, que é resultado do baixo número de nascimentos, do problema de natalidade que temos em Portugal, e que é transversal a toda a Europa”.

“Eu diria que esta questão do inverno demográfico, é em conjunto com as alterações climáticas, o tema mais preocupante para o mundo como o conhecemos e para o mundo ocidental e que, curiosamente, o Papa Francisco, em 2015 e 2016, lançou dois grandes documentos refletindo sobre isto”, afirma.

Pequenas e com menos casamentos. A estatística está contra as famílias portuguesas

Francisco Pombas garante que “são temas que estão na agenda da Pastoral Familiar e que refletem claramente a realidade da nossa sociedade”.

Para o diretor do departamento nacional da Pastoral Familiar, a organização da sociedade “leva a que o casamento seja pouco apelativo”, assim como “o ritmo da nossa vida social que “nos dá um sentimento de preenchimento, embora esse preenchimento seja muito superficial”.

Por outro lado, o responsável não esquece “o stress com que vivemos, os baixos salários, a própria precariedade laboral, o preço da habitação”, fatores sociais que “levam a que se crie esta crise de números; do número de casamentos e de desvalorização da família”.

Francisco Pombas diz que “também há algumas questões socioculturais que não têm a ver com a organização da sociedade, e que dificultam que os jovens assumam opções permanentes, assumam opções para o resto da vida”, e que estão relacionadas com “a forma como encaramos aquilo que nós designamos pelo vínculo para toda a vida”.

Ainda assim, o responsável assegura que os jovens valorizam a família e que isso ficou bem claro no Sínodo dos Jovens em Roma, e sobretudo nas respostas aos inquéritos aí realizados em que os jovens afirmavam que a instituição que eles mais valorizam e em quem mais confiavam ainda era a família”.

“Portanto, os jovens continuam a ver na família um pilar fundamental. O problema é que a forma como a sociedade neste momento está organizada dificulta muito que isso se concretize na realidade”, sublinha.

Reforma antecipada sem cortes. Bagão Félix propõe bónus para casais com dois ou mais filhos

As estatísticas das últimas décadas apontam para o facto de Portugal registar cada vez menos casamentos e revelam que os portugueses casam cada vez mais tarde.

Por outro lado, nota-se um progressivo aumento do número de divórcios de casamentos católicos.

Francisco Pombas afirma que “talvez o maior desafio que a Pastoral Familiar tem em Portugal é o de fazer uma preparação para o casamento que não seja exclusivamente uma preparação para a cerimónia e uma preparação para o sacramento em si”.

“Isso é importante, mas falta uma preparação com mais tempo para que aquele rapaz, aquela rapariga, percebam se, verdadeiramente, o passo que estão a dar é um passo para toda a vida e é um passo assente nos pilares que eu falei a liberdade, a fidelidade e a fecundidade”, defende.

O responsável diz que “esse trabalho preparatório é um grande desafio para as estruturas da pastoral familiar em Portugal”.

Francisco Pombas insiste na necessidade de melhorar os cursos de preparação para o matrimónio, até porque no momento atual o número de casos de divórcio não se diferencia pelo facto de o casamento ter sido apenas civil ou por ser um casamento católico.

“É fundamental que os noivos que se preparam para o matrimónio percebam se aquela pessoa é realmente a pessoa com quem querer partilhar o resto das suas vidas”, conclui.

Destaques V+

Ler artigo completo