Pela primeira vez há cinco escolas de gestão portuguesas entre as melhores da Europa

1 mes atrás 26

Nova SBE, Católica Lisbon School of Business and Economics, Porto Business School, ISEG e Iscte Business School são as cinco escolas portuguesas que fazem parte do top 95 das melhores escolas de gestão da Europa, realizado pelo Financial Times (FT), e divulgado esta semana. Com cinco escolas distinguidas, Portugal integra, agora, o top três dos países europeus mais bem representados neste ranking, apenas ultrapassado pela França e Reino Unido. E, além de ser a primeira vez que há cinco portuguesas a marcar presença, todas melhoraram a sua prestação.

A Nova SBE volta a ser a escola nacional melhor classificada, ocupando, nesta edição, o 24.º lugar, e a Católica está, agora, mais perto, no 27.º lugar. O pódio nacional fica completo com a Porto Business School. Já o ISEG estreia-se neste ranking em 2022, e o ISCTE encerra a presença nacional.

“Na Nova SBE estamos muito satisfeitos com este resultado que é a consolidação do trabalho que temos vindo a fazer nos rankings. É com grande satisfação que somos já cinco escolas portuguesas a figurar no ranking, o que demonstra a excelente qualidade do ensino em Portugal”, destaca Daniel Traça, dean da Nova SBE, citado em comunicado.

A universidade – que, em breve, passará a ser liderada por Pedro Oliveira, que sucede a Daniel Traça depois de oito anos de mandato – é a única portuguesa a figurar no top 25. A conquista, que representa uma subida de três posições, “confirma o trajeto ascendente da Nova SBE no contexto internacional e mantém a sua liderança em Portugal”, defende a universidade.

Entre os critérios avaliados, a business school pontua especialmente bem no que toca à oferta de mestrados. Em 2022 tornou-se na primeira escola portuguesa no top 15 mundial com os seus dois mestrados nos rankings do Financial Times “Mestrado Internacional em Finanças” (11ª. posição mundial e 9ª. a nível europeu) e “Mestrado Internacional em Gestão” (15ª. posição mundial e que representou uma subida de oito posições na classificação).

De destacar ainda a classificação obtida no ranking internacional de formação de executivos do FT, que, em maio de 2022, colocou a Nova SBE no 22º. lugar mundial, ascendendo 20 posições.

A Católica Lisbon School of Business and Economics também escalou na lista, tendo passado do 29.º para o 27.º lugar. “É motivo de orgulho estarmos a subir de forma consistente no ranking das melhores business schools europeias e prestigiarmos Portugal com uma das escolas mais internacionais na Europa. Sermos destacados pelo Financial Times como uma das escolas topo da Europa desde 2007 é para nós motivo de grande satisfação”, começa por dizer Filipe Santos, diretor da Católica Lisbon School of Business & Economics.

“A Católica Lisbon, que celebra este ano o seu 50º aniversário, é um hub de atração de talento de docentes e alunos de nível mundial, um gerador de conhecimento de ponta em economia e gestão, e uma verdadeira rampa de lançamento para uma carreira de sucesso com verdadeiro impacto na sociedade”, conclui.

De facto, neste ranking, a Católica é a escola mais internacional do país, tanto ao nível do corpo estudantil como do corpo docente. Quase 40% dos professores são oriundos de países tão distintos como Alemanha, Itália, Espanha, Bélgica, Holanda, Grécia, França, Brasil e Ucrânia, e há 70% de alunos internacionais de mais de 60 nacionalidades a frequentar os mestrados desta instituição de ensino. É de destacar ainda que os seus programas de formação executiva para empresas são os 12.º melhores da Europa.

PBS completa o pódio

A fechar o pódio está a Porto Business School (PBS), que foi considerada o 59.º melhor escola de negócio europeia, tendo subido sete lugares em comparação com o ano passado. A classificação da Escola de Negócios da Universidade do Porto deve-se, sobretudo, aos resultados alcançados nas categorias de executive education, onde ocupa as 28ª e 34ª posições na formação para executivos custom e open, respetivamente, e executive MBA, onde alcançou a 59ª posição.

“É um orgulho continuar a marcar presença num ranking tão prestigiado como o do Financial Times. Num contexto marcado pela incerteza e pela constante transformação, é muito gratificante ver que a Porto Business School reforça o seu papel enquanto referência internacional na área da formação em gestão”, garante Ramon O’Callaghan, dean da Porto Business School.

É de referir que, ao contrário de outras escolas presentes no ranking, a Porto Business School compete em apenas duas das quatro categorias que contribuem para esta classificação. Tendo em consideração a estreita colaboração entre a PBS e a Faculdade de Economia da Universidade do Porto, as duas entidades aparecem nomeadas conjuntamente para efeitos de ranking do Financial Times (University of Porto | FEP-PBS).

ISEG estreia-se. Iscte escala 10 posições

Já o ISEG – Lisbon School of Economics and Management é a única portuguesa que não é repetente neste ranking. Estreia-se este ano e faz aumentar para cinco o número de escolas nacionais distinguidas. Além disso, entre as escolas europeias que se estrearam este ano, é a melhor classificada, ocupando o 65.º lugar.

“Depois da estreia do ISEG no ranking da formação de executivos e da consolidação da posição do master in Finance no ranking de mestrados em finanças, a entrada para a elite das business schools da Europa é uma excelente notícia que confirma o percurso notável que o ISEG tem vindo a fazer na qualidade e na internacionalização do ensino e da investigação”, acredita o presidente João Duque.

“Neste início de mandato, o legado de crescimento da notoriedade internacional do ISEG traz-me uma responsabilidade acrescida. Assumimos o compromisso de consolidar o esforço que a escola tem feito para oferecer a melhor formação aos alunos, assente numa cultura de inovação e excelência e na internacionalização dos mestrados e da formação executiva, para garantir que atraímos os melhores alunos, em Portugal e no mundo”, acrescenta.

O ISEG destaca-se, especialmente, pela sua classificação no ranking de executive MBA, em que o ISEG MBA obteve a 62.ª posição a nível europeu, e nos rankings de executive education, em que tanto os programas abertos como os programas customizados do ISEG Executive Education entraram diretamente para o top 35 ao nível europeu.

A presença nacional só fica completa com o Iscte. Apesar de ser a escola portuguesa com a classificação mais baixa (67.º lugar), foi aquela que mais escalou na tabela, tendo conseguido subir dez patamares face ao ano passado. À semelhança do ISEG, o Iscte pontuou especialmente bem no ranking de executive MBA (60.º lugar). Além disso, é a 61.ª escola com o melhor mestrado internacional em Gestão.

“Os excelentes resultados alcançados demonstram a nossa capacidade de desenvolvimento e de inovação, consolidando a reputação internacional da Iscte Business School. A subida de dez posições reflete o nosso compromisso com os estudantes, docentes e parceiros, consolidando a reputação internacional da Iscte Business School como uma escola de referência para aqueles que procuram um ensino de excelência”, afirma Maria João Cortinhal, diretora da instituição.

“Os resultados alcançados demonstram a nossa capacidade de inovação e inspiram-nos a continuar a desenvolver oferta formativa de excelência, bem como a apostar na qualidade do corpo docente”, completa a diretora.

HEC Paris lidera novamente

A nível europeu, o primeiro lugar do pódio pertence, uma vez mais, à HEC Paris, em França. A London Business School, no Reino Unido, e a ESCP Business School, com campus em França, Alemanha, Itália, Polónia, Espanha e Reino Unido, completam o top 3.

O ranking das business schools europeias do Financial Times avalia um total de 95 organizações e baseia-se nas pontuações globais que cada escola obteve para cada classificação nos seguintes rankings do Financial Times: mestrado em Gestão, formação de executivos, MBA e EMBA.

2022-12-08 15:00 ECO - Parceiro CNN Portugal

Ler artigo completo