Rap PT – Dicas da Semana #108

7 meses atrás 113

Se o rap nasceu para resistir e lutar, não há força da natureza que o extinga. Aqui o bicho só se manifesta nas rimas e batidas, e os nossos soldados não baixam canetas nem no pior dos cenários.

De semana em semana, há novas linhas por decifrar, novos sons por escutar, novas dicas (*) para encaixar. Seja em português ou em crioulo, do masculino ao feminino, desde as maiores estrelas nacionais aos mais anónimos rappers de sótão, do trap ao drill, há espaço para tudo o que nos faça abanar a cabeça, por dentro e por fora.



[CHIPPIE] “COMEBACK” (PROD.ZOO)

A retirada de cena de Chippie foi (mais uma) reforma de pouca dura — e ainda bem, sublinhe-se. O rapper confessa neste “Comeback” que o post no Instagram em que anunciou esse pendurar das botas (ou o pousar das canetas) foi “impulsivo” e volta, assim, em força redobrada. “Largar o rap não ‘tava posto na lista” dele nem na nossa.



[M.A.C.] “De volta à base” featuring Dj Glue & Carlão

Ver Carlão de volta à base — em modo Pacman — é coisa com que qualquer fã de Da Weasel sonha. Aqui, não é um falso alarme, mas há razões para ficar com blue ears: o homem-da-frente da Doninha entra apenas para estabelecer a palavra de ordem, deixa que DJ Glue vinque do topo da janela, a la DJ Cut Killer, e que os M.A.C. tomam por linha de orientação neste “De volta à base” com regresso a Almada, Margem Sul, à boleia da Crack Kids.



[moisés] “no chão”

Quem esteve no Jardim da Galeria Quadrum no passado dia 29 de Julho e dá agora de caras com o duplo lançamento de moisés não deixa de ver na ilustração (assinada por duque) que o complementa o semblante de Pink Siifu, de viseira Oakley na cara a expelir resquícios de NEGRO. Rapidamente de volta à base, é em “no chão” — depois de “abençoado” — que palpamos terreno pelos confins do pensamento do rapper e produtor. Desta vez ficou-se apenas pelas rimas e deixou as batidas para DoisPês.



[Beiro, Pedra & QVXNO] “Experiência”

A aliança Beiro & Pedra tem servido muito boa gente, mas esse serviço também se presta em nome próprio: com QVXNO a entrar na equação, todos dão nome mas ninguém dá a cara em BVLVCXVA, um EP que começa a três, entre rapper e produtores, mas que se estende a outros nomes aqui sem rosto. E “Experiência” é a porta de entrada para uma zona definida por quem se propõe a entrar pelo telhado.



[E.se] “Ondas e Nuvens”

Da primeira de um para a última de outro: E.se foi mais um actor a apresentar nova obra na cena do rap nacional — e aproveitou o dia em que conta os anos que por cá anda para fazê-lo. É precisamente a partir desse confronto com a absurda noção de que por cá anda que Carlos Alves constrói a segunda narrativa da sua história na música, com tanto de incerteza quanto a primeira. “Ondas e Nuvens” é uma proposta de explicação para todo este Mangrove. Tudo o resto, por muito que se verse, continua — para nós e para ele — por explicar.



[prétu (ku chullage y Henrique Silva)] “Amor di Uber”

Chullage oferece uma nova perspectiva sobre a fugacidade das relação ditadas pelos novos tempos. Nova na medida em que é sua e inédita. Porque nem essa reflexão nem esses tempos são assim tão novos quanto isso — consequência, lá está, da velocidade a que hoje o tempo corre, aparentemente mais depressa que nunca. Não assim tão nova é, também, a reentrada do rapper em cena na pele de prétu. Mas novas são, sem dúvida, as abordagens desta célebre voz que fez escola enquanto MC e que agora, condecorado, alarga esse legado. A levar a melhor na luta contra o tempo.


(*O título da nossa coluna, Dicas da Semana, inspira-se num clássico de Biru)

Ler artigo completo