Santos: «Não ia chamar um jogador para chegar aqui e sentar-se»

23 horas atrás 10

Fernando Santos chamou Mário Rui para substituir Raphael Guerreiro, depois chamou ainda Gonçalo Ramos face à indisponibilidade de Rafa Silva, mas não chamou nenhum central quando Pepe foi dispensado por motivos físicos. Em conferência de imprensa, em Praga, na antevisão do ogo deste sábado com a República Checa, o selecionador explicou as suas opções.

«Tenho três centrais, não vejo razão para estar a chamar mais um jogador a esta hora. Não fazia sentido estar a convocar mais um jogador para chegar aqui e sentar-se. Confio em absoluto no três que estão aqui, convoquei quatro porque confio nos quatro. Fiquei com três, podia chamar outro. Se fosse apenas uma substituição, como no caso do Gonçalo Ramos, tinha 25 jogadores e não tinha necessidade», começou por dizer.

Para o lugar de Pepe, Fernando Santos conta com Rúben Dias, Tiago Djaló e ainda Danilo Pereira que também já jogou no eixo defensivo. «Na primeira substituição sim, tinha dois laterais esquerdos, houve um que não podia vir [Raphael Guerreiro], portanto chamei mais um lateral esquerdo (Mário Rui]. A segunda foi porque, além de uma saída [Rafa Silva], tinha outro jogador que não podia estar neste jogo [João Félix], portanto a convocatória do Gonçalo Ramos. Mas neste caso não, tenho três centrais, não havia razão para fazer essa substituição. Se vier a ter essa necessidade, espero que não, logo pensarei no assunto», destacou ainda.

Na baliza, Fernando Santos tem alternado entre Diogo Costa e Rui Patrício, mas preferiu não dizer quem joga este sábado. «Sei quem é que vai jogar, mas não vou dizer. Já vos disse que o Félix não vai jogar, nem vai para o banco, vai estar na bancada. A partir daí não vou dar mais informações nenhumas», limitou-se a referir.

Há sete jogadores que estão em risco de falhar o jogo com a Espanha - Danilo, William Carvalho, Matheus Nunes, Bernardo Silva, Bruno Fernandes, Rafael Leão e Cristiano Ronaldo – mas Fernando Santos garante que não vai poupar ninguém frente à República Checa.

«Temos de ganhar, não vai haver outra hipótese, não temos gestões. Temos de olhar para o jogo de uma única forma, é para ganhar, portanto vou procurar colocar em campo aquela equipa que entendo que, para este jogo, nos serve melhor», garantiu ainda.

Ler artigo completo