Software open-source nos programas dos partidos para as Legislativas 2022: ANSOL elogia ideias da IL e do PAN

3 meses atrás 35

Em relação aos dois partidos que estão mais bem posicionados para indicar o próximo primeiro-ministro, PS e PSD, a ANSOL aponta o facto de os programas não terem referências a software livre

©Iniciativa Liberal

©Iniciativa Liberal

Depois de ter criado um documento com dez ideias sobre vários aspectos de vida digital e tecnológico que o novo Governo deveria adoptar, a Associação Nacional para o Software Livre (ANSOL) analisou as abordagens open-source dos programas dos partidos que concorrem às legislativas de 2022.

PAN e Iniciativa Liberal são os que reúnem mais elogios da ANSOL no que diz respeito a este tema. O partido de liderado por Inês Sousa Real quer «garantir que o software desenvolvido pelo Estado, ou cujo desenvolvimento é financiado por recursos públicos, tem o seu código público, ou seja, é software livre, excepcionando situações devidamente justificadas».

A ANSOL gostava de que a ideia das «excepções devidamente justificadas», não fizesse parte do texto do PAN, mas admite que a posição do partido «pode ser um bom primeiro passo».

©PAN©PAN | Inês Sousa Real quer que o software desenvolvido pelo Estado seja open-source.

Em relação à Iniciativa Liberal, João Cotrim de Figueiredo quer «reduzir o custo total de propriedade recorrendo ao uso de especificações abertas, como o software Open Source». A ANSOL diz que esta ideia é «positiva», mas lembra que há uma «confusão técnica», quando a IL dá a entender que «Open Source é um tipo de especificação aberta».

Em relação aos dois partidos que estão mais bem posicionados para indicar o próximo primeiro-ministro, PS e PSD, a ANSOL aponta o facto de os programas não terem referências a software livre. Há ainda dois partidos cujo comentário é «Nada a apontar»: Livre e CDU.

20 de Janeiro, 2022

Ler artigo completo