Sudão. Concluída evacuação da embaixada dos EUA, anuncia Joe Biden

11 meses atrás 151

"Tenho orgulho no extraordinário compromisso da nossa equipa da embaixada, que desempenhou as suas funções com coragem e profissionalismo e personificou a amizade e a ligação da América com o povo do Sudão", referiu Biden na nota.

"Estou grato pela capacidade incomparável dos nossos militares que os trouxeram com sucesso para um local seguro".

Os funcionários foram levados de avião para um local não identificado, na Etiópia, revelaram à agência de notícias Associated Press (AP) dois responsáveis que conhecem a operação.

Washington também encerrou a representação diplomática por tempo indeterminado, notou a AP.

No comunicado, Biden deixou um agradecimento ao Djibuti, à Etiópia e à Arábia Saudita, que foram "fundamentais para o sucesso" da operação.

Os planos de retirada começaram na segunda-feira, depois de veículos da embaixada dos Estados Unidos, que estavam em deslocação, terem sido atacados em Cartum.

Num comunicado divulgado na quinta-feira, o Pentágono revelou o envio de "capacidades adicionais" para a região, para potencialmente ajudar a facilitar uma retirada do pessoal da embaixada do Sudão, se necessário.

O aeroporto de Cartum continua a não funcionar e as rotas terrestres da capital para fora do país são longas e perigosas, mesmo sem as hostilidades atuais, o que coloca dificuldades e riscos de segurança adicionais.

Segundo a mais recente contagem da Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo menos 413 civis morreram e 3.551 ficaram feridos desde o início do conflito no Sudão.

Os confrontos começaram há uma semana entre as forças armadas, comandadas pelo líder de facto do país desde o golpe de Estado de outubro de 2021, o general Abdel Fattah al-Burhan, e os paramilitares do das Forças de Apoio Rápido (RSF, na sigla em inglês), chefiados pelo general Mohamed Hamdan Dagalo, conhecido como "Hemedti".

CAD (ANP/ATR) // CAD

Lusa/Fim

O Presidente Joe Biden ordenou às tropas americanas que evacuassem o pessoal da embaixada depois de receberem uma recomendação no sábado anterior da sua equipa de segurança nacional sem fim à vista dos combates, de acordo com o funcionário que falou na condição de anonimato, devido à natureza sensível da missão.

Acreditava-se que a ordem de evacuação era aplicável a cerca de 70 americanos. As forças norte-americanas estavam a pilotá-los de uma zona de aterragem na embaixada para um local não especificado.

O Departamento de Estado suspendeu as operações na embaixada devido à terrível situação de segurança. Não estava claro quando é que a embaixada poderia voltar a funcionar.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, os combates mataram mais de 400 pessoas desde a erupção do dia 15 de Abril entre duas facções cujos líderes estão a lutar pelo controlo do país. A violência incluiu um ataque não provocado a uma escolta diplomática americana e numerosos incidentes em que diplomatas e trabalhadores humanitários estrangeiros foram mortos, feridos ou agredidos.

A Casa Branca afirmou não ter planos para uma evacuação coordenada pelo governo de cidadãos americanos encurralados no Sudão. Estima-se que 16.000 cidadãos privados norte-americanos estejam registados na embaixada como estando no Sudão. O Departamento de Estado advertiu que esse número é provavelmente incorrecto, porque não há nenhuma exigência de registo por parte dos americanos, nem de notificação à embaixada quando estes partem.

A embaixada emitiu um alerta no sábado anterior advertindo que "devido à situação de segurança incerta em Cartum e ao encerramento do aeroporto, não é actualmente seguro empreender uma evacuação coordenada pelo governo dos EUA de cidadãos norte-americanos privados".

Os combates no Sudão entre forças leais a dois generais de topo colocaram a nação em risco de colapso e podem ter consequências muito para além das suas fronteiras.

Os combates, que começaram quando o Sudão tentou a transição para a democracia, já deixaram milhões presos em áreas urbanas, abrigando-se de tiros, explosões e saqueadores.

O chefe do exército, General Abdel Fattah Burhan, disse sábado que facilitaria a evacuação de cidadãos e diplomatas americanos, britânicos, chineses e franceses do Sudão, após ter falado com os líderes de vários países que tinham pedido ajuda. O rival Forças de Apoio Rápido, ou RSF, num anúncio no Twitter disse ter cooperado com as forças dos EUA.

Ler artigo completo