Trabalhadores não docentes anunciam greve entre 31 de julho e 4 de agosto

9 meses atrás 477

20 jun, 2023 - 08:53 • Lusa

A paralisação abrange os trabalhadores não docentes em funções nas escolas da rede pública de ensino, assistentes operacionais e restantes trabalhadores de carreiras gerais das escolas que estão sob gestão das autarquias da Área Metropolitana de Lisboa (AML).

Trabalhadores não docentes das escolas da rede pública vão estar em greve entre 31 de julho e 4 de agosto para "denunciar e impedir o recurso forçado" para funções à Jornada Mundial da Juventude.

O pré-aviso de greve apresentado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas, que tem a data de hoje, está decretado para entre as 00h00 e as 24 horas do período entre 31 de julho e 4 de agosto, sendo que Jornada Mundial da Juventude (JMJ) se realiza em Lisboa de 1 a 6 de agosto deste ano.

De acordo com o pré-aviso, publicado num jornal, o objetivo é "denunciar e impedir o recurso forçado dos trabalhadores não docentes das escolas da rede pública para funções relativas à Jornada Mundial da Juventude", o "impedimento do gozo de férias na última semana de julho e a primeira semana de agosto que lesam os trabalhadores e prejudicam a organização do próximo ano letivo" e o facto "ilegal" dos mapas de férias não estarem afixados no prazo previsto na lei (15 de abril).

A greve do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas visa também contestar as mudanças de horário "que estão a ser impostas aos trabalhadores bem como a imposição de trabalho em dia de descanso semanal ou de dia descanso complementar".

Trabalhadores querem "impedir o recurso abusivo" a trabalho suplementar

No âmbito da paralisação, os trabalhadores querem "impedir o recurso abusivo" a trabalho suplementar, exigir o "respeito pelos trabalhadores não docentes relativamente ao seu conteúdo funcional, que devem estar em funções para a comunidade educativa".

Os trabalhadores vão fazer também greve ao trabalho suplementar fora do período normal de trabalho, em dias de descanso complementar, em dias de descanso obrigatório e em dias de feriados municipais entre os dias 22 de julho e até 8 de agosto.

A greve abrangerá também os dias de descanso complementar e obrigatório nos fins de semana de 22 de julho e 23 de julho, 29 e 30 de julho e 5 e 6 de agosto.

A paralisação abrange os trabalhadores não docentes em funções nas escolas da rede pública de ensino, assistentes operacionais e restantes trabalhadores de carreiras gerais das escolas que estão sob gestão das autarquias da Área Metropolitana de Lisboa (AML).

O pré-aviso abrange escolas sob a gestão das Câmaras de Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira) e todas as juntas de freguesia a AML.

Destaques V+

Ler artigo completo