Vieira da Silva critica ação de Governo nas pensões e diz que seria “mais sensato” suspender lei da atualização automática

2 meses atrás 22

Antigo ministro socialista do Trabalho diz que seria "mais sensato" Governo ter suspendido lei de atualização automática das pensões, perante a inflação, em vez de criar nova fórmula de cálculo.

José António Vieira da Silva, ex-ministro do Trabalho e conselheiro da Comissão Europeia para os direitos sociais durante a presidência portuguesa da UE, no primeiro semestre de 2021, posa para a fotografia durante uma entrevista à Lusa, na sede da agência, em Lisboa, 25 de novembro de 2020. (ACOMPANHA TEXTO DA LUSA DO DIA 28 DE NOVEMBRO DE 2020). JOSÉ SENA GOULÃO/LUSAi

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O antigo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social António Vieira da Silva considera que “é mais sensato” em tempos de crise e conjunturas específicas suspender a lei da atualização das pensões do que alterá-la.

“Julgo que é mais sensato, é apenas a minha opinião, em momentos de crise específicos, de conjuntura particulares, suspender [a lei da atualização das pensões] e tomar as medidas adequadas”, disse Vieira da Silva, em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios.

Suspender a lei não significa congelar aumentos das pensões, mas sim não aplicar determinados fatores previstos na fórmula de cálculo, como a inflação e o crescimento económico, explicou o ex-governante socialista.

Vieira da Silva defendeu ainda que a imprevisibilidade da atual conjuntura não permite exigir ao Governo que antecipe desde já o que vai acontecer daqui a um ano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Relativamente ao acordo de rendimentos e competitividade que está a ser discutido com os parceiro sociais, o ex-ministro defendeu que “seria extretamente positivo” para o país que houvesse um consenso, mas reconheceu que obter um entendimento em relação a valores “é difícil”.

O antigo ministro recusa ainda uma redução generalizada do IRC e defende que a mesma aconteça apenas para as empresas com investimentos significativos.

“Os melhores exemplos que nós tivemos de usar a dimensão fiscal para dinamizar a economia portuguesa não foram descidas generalizadas, mas foram isenções ou reduções orientadas para investimentos”, afirmou Vieira da Silva.

“O grande retalho precisa de uma descida de IRC? Está numa situação em que isso conte para a sua produtividade? Tenho dúvidas”, afirmou o ex-governante.

Ler artigo completo