Volta a França: Roglic deslocou o ombro, colocou-o no sítio e vai continuar em prova

1 mes atrás 15

Primoz Roglic deslocou um ombro e colocou-o no sítio, após uma queda a cerca de 30 quilómetros da meta. Depois de perder mais de 2 minutos para Pogacar na etapa dos "pavês", assume continuar em prova.

epa10055183 Slovenian rider Primoz Roglic of Jumbo Visma crashes and fall during the 5th stage of the Tour de France 2022 over 157km from Lille to Arenberg Porte de Hainaut, Wallers-Arenberg, France, 06 July 2022.  EPA/GUILLAUME HORCAJUELOi

"Rogla", de 32 anos, tem uma história de "desamor" com a Volta a França

GUILLAUME HORCAJUELO/EPA

"Rogla", de 32 anos, tem uma história de "desamor" com a Volta a França

GUILLAUME HORCAJUELO/EPA

Primoz Roglic (Jumbo-Visma) deslocou esta quarta-feira um ombro, numa queda na parte final da quinta etapa, e pediu uma cadeira emprestada a um espetador para voltar a colocá-lo no sítio, seguindo em prova na Volta a França em bicicleta.

Estou feliz por poder continuar. Tive que me sentar por um momento para colocar o meu ombro no sítio. Foi muito doloroso, mas eu sei, por experiência, como agir nessa situação”, declarou o ciclista esloveno, que caiu a cerca de 30 quilómetros da meta.

Roglic não conseguiu executar a técnica na estrada, pelo que teve de sentar-se na cadeira de um espetador para colocar o ombro novamente no lugar. “Aí, funcionou”, completou.

“Foi muito difícil depois da minha queda, mas fizemos tudo o que podíamos. Agora, temos de perceber como posso continuar neste Tour”, notou, depois de ter sido 61.º na etapa, a 02.59 minutos do vencedor, o australiano Simon Clarke (Israel-Premier Tech), e a mais de dois minutos do bicampeão em título, o seu compatriota Tadej Pogacar (UAE Emirates).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sempre parco em palavras, o vice-campeão do Tour2020 escusou-se a comentar se perdeu as opções de lutar pela geral, na qual é agora 44.º classificado, a 02.36 do camisola amarela, o seu colega Wout van Aert.

“Ainda não pensei nisso, tenho de recuperar primeiro”, afirmou, prometendo que o conjunto neerlandês, que hoje teve uma jornada caótica, com as quedas de Roglic e Van Aert e a avaria de Jonas Vingegaard, vai continuar focado nos seus objetivos, o principal dos quais ganhar o Tour.

“Rogla”, de 32 anos, tem uma história de “desamor” com a Volta a França: em 2020, perdeu a vitória final, tida como “certa”, no contrarrelógio da penúltima etapa para o “novato” Tadej Pogacar, e, no ano passado, caiu na terceira etapa e desistiu seis dias depois, devido às lesões resultantes desse “azar”.

Ler artigo completo