Multidão ataca cristãos no Paquistão por alegada blasfémia

3 semanas atrás 56

25 mai, 2024 - 22:07 • Ricardo Vieira, com Reuters

Um homem de 70 anos, acusado de profanar o Corão, foi agredido e arrastado pela multidão que pretendia fazer justiça pelas próprias mãos.

Um grupo de cristãos foi atacado, este sábado, no Paquistão, por uma multidão de muçulmanos em fúria devido a acusações de blasfémia. A intervenção da polícia evitou um massacre.

Uma casa e uma pequena fábrica de sapatos foram incendiadas e vários elementos da minoria cristã foram violentamente agredidos, segundo o líder da comunidade Akmal Bhatti.

O ataque aconteceu após vizinhos do enclave acusarem um cristão de profanar o Corão, o livro sagrado dos muçulmanos, indicou um porta-voz da Polícia, citado pela agência Reuters.

A multidão também virou a sua fúria para a Polícia, arremessando pedras e tijolos contra as forças de segurança.

A Polícia destacou um grande contingente para proteger o enclave cristão e conseguiu afastar os atacantes.

A situação acalmou ao final da noite após apelos à calma dos líderes das comunidades cristã e muçulmana.

Um homem de 70 anos, acusado de blasfémia, foi agredido e arrastado pela multidão que pretendia fazer justiça pelas próprias mãos, segundo um grupo de defesa dos direitos da minoria cristã no Paquistão.

A Comissão independente de Direitos Humanos do Paquistão disse que a comunidade cristã estava "em grave risco de vida nas mãos das turbas".

A blasfémia é um assunto delicado no Paquistão, país de maioria muçulmana, onde apenas uma acusação pode levar a um linchamento nas ruas.

Grupos de direitos humanos dizem que as duras leis sobre blasfémia do Paquistão são frequentemente utilizadas indevidamente para acertar contas pessoais.

Destaques V+

Ler artigo completo