Quinta-feira de greve na Carris

1 semana atrás 34

Lisboa

11 jul, 2024 - 00:08 • Lusa

Os trabalhadores reivindicam aumentos salariais e regresso às 35 horas semanais de serviço.

Os trabalhadores da Carris, motoristas e guarda-freios, cumprem esta quinta-feira uma greve de 24 horas em protesto pela falta de resposta da administração às reivindicações de aumento real dos salários e de evolução para as 35 horas semanais de serviço.

A greve foi iniciada pelos trabalhadores da rede da madrugada às 22h00 de quarta-feira, enquanto para os restantes trabalhadores de tráfego terá início às 03h00 de hoje.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP), afeto à Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), os setores fixos estão em greve entre as 00h00 e as 23h59 desta quinta-feira.

O sindicato sublinha que estão abrangidos pelo pré-aviso de greve todos os trabalhadores que iniciem o seu período de trabalho antes das 00h00 de quinta-feira, ou que o seu maior período de trabalho corresponda a esta data.

"Entram em greve no início do seu dia de trabalho e até ao final. Também estão abrangidos os trabalhadores que terminem o seu dia de trabalho após as 24:00 deste dia", esclarece o STRUP, em comunicado.

A estrutura sindical adianta que o Tribunal Arbitral decretou serviços mínimos para a greve, considerando como necessários, nomeadamente, o funcionamento do transporte exclusivo de deficientes, do pronto-socorro e do posto médico.

Bilhetes físicos mais perto do fim. Na Carris, já se pode pagar tarifa de bordo com MB Way

Segundo o STRUP, o Tribunal Arbitral não acolheu a proposta da empresa, que pretendia "serviços máximos", com a circulação de autocarros.

No último plenário, em 19 de junho, os trabalhadores consideraram ser "inadmissível que o Conselho de Administração (CA) da Carris continue sem dar resposta às reivindicações constantes", apesar do "resultado líquido da empresa de 9,5 milhões de euros" assumido pela empresa no relatório e contas de 2023.

Entre as reivindicações, os trabalhadores exigem um aumento de 100 euros na tabela salarial, aumento do valor do subsídio de alimentação, evolução para as 35 horas semanais, com a inclusão do tempo de deslocação de e para os locais de rendição, e passe para a Área Metropolitana de Lisboa.

Segundo o STRUP, estas reivindicações "são essenciais não só para a melhoria das condições de vida dos trabalhadores, mas também para a criação das condições para a fixação dos trabalhadores necessários ao serviço público prestado pela empresa e para criar as condições de atratividade para novas admissões".

O STRUP apela a que os trabalhadores se juntem na estação da Pontinha, pelas 10h30, para decidir "forma de continuação de luta", caso o Conselho de Administração da empresa "não aparecer na reunião marcada para o dia 23 de julho, às 15h00, com uma atitude de vir de encontro às reivindicações centrais deste processo de luta".

No último plenário, o STRUP ficou mandatado a continuar o processo de luta com uma greve às duas primeiras horas e às últimas duas horas do horário de trabalho diário, na semana de 15 a 19 de julho.

Destaques V+

Ler artigo completo