Mitos sobre implantes dentários

5 meses atrás 153

Os implantes orais são dispositivos que substituem as raízes dos dentes perdidos e servem de suporte para próteses dentárias. São feitos de titânio – um material biocompatível que se integra ao osso – e podem melhorar a estética, a função e a qualidade de vida das pessoas que sofrem de perda de dentes.

Nos dias de hoje, ainda existem muitos mitos sobre os implantes orais, que podem gerar dúvidas e receios nos pacientes. Vamos desmistificar alguns deles.

Artigo da responsabilidade do Dr. António Malheiro, médico-dentista na Clínica Parque da Cidade

“Os implantes orais são, sobretudo, indicados para idosos”

Esta afirmação é falsa. Os implantes orais podem ser feitos por qualquer pessoa que tenha perdido um ou mais dentes, desde que tenha saúde geral e óssea adequadas. A idade é um fator limitante apenas se o paciente for menor e o seu desenvolvimento crânio-facial não estiver completo.

“A cirurgia para a colocação de implantes orais é dolorosa”

Não é verdade. A cirurgia de implantes orais é realizada sob anestesia local, o que torna o procedimento indolor. Após a cirurgia, pode haver algum desconforto, inchaço e sangramento – que são normais e podem ser controlados com medicamentos e cuidados pós-operatórios. A recuperação é rápida e a maioria dos pacientes pode retomar as suas atividades normais em poucos dias.

“Os implantes orais são demorados”

Errado. O tempo de tratamento com implantes orais varia de acordo com cada caso, mas tem sido reduzido graças aos avanços tecnológicos e científicos. Hoje em dia, existem técnicas que permitem a colocação dos implantes e das próteses no mesmo dia – ou em poucas semanas -, dependendo da situação clínica do paciente e do planeamento do profissional.

“Os implantes orais podem ser rejeitados pelo organismo”

Por serem feitos de titânio – um material que não provoca reações alérgicas ou inflamatórias – a rejeição dos implantes orais é muito rara. O que pode ocorrer é a perda dos implantes por falta de osseointegração, que é a união entre o implante e o osso. Isto pode acontecer por fatores locais ou sistémicos, como por exemplo uma infeção, trauma, tabagismo, diabetes, osteoporose, entre outros. Por isso, é importante fazer uma avaliação prévia e um acompanhamento periódico com o médico-dentista.

“Os implantes orais são muito caros”

Mito. O custo dos implantes orais depende de vários fatores, tais como o número, o tipo e a localização dos implantes, o material e o design das próteses, a experiência do profissional e a qualidade dos serviços. No entanto, este tipo de tratamentos tem algumas facilidades de pagamento e planos personalizados para cada caso. Para além disso, os implantes orais são um investimento a longo prazo na sua saúde.

De salientar que existem fatores determinantes para que seja possível avançar com o procedimento. Ter uma boa saúde oral e geral – sem infeções ou inflamações na boca ou no corpo -, ter a falta de um ou mais dentes numa das maxilas e ter uma quantidade e qualidade suficientes de osso para suportar os implantes são alguns dos exemplos.

Ao mesmo tempo, é fundamental ter expectativas realistas sobre o resultado estético e funcional do tratamento e seguir as orientações do médico-dentista para o cuidado dos implantes.

Ler artigo completo