Tosse: incómoda e, por vezes, extenuante

5 meses atrás 216

A tosse é uma resposta fisiológica do nosso corpo quando algo irrita a garganta ou as vias respiratórias. Um agente irritativo estimula os nervos que enviam uma mensagem ao cérebro e o cérebro desencadeia uma resposta para expulsar o ar dos pulmões, forçando a expulsão do agente irritativo.

Artigo da responsabilidade do Dr. João Marques. Alergologista

Uma tosse ocasional é normal e saudável. Uma tosse que persiste por várias semanas ou com muco de coloração patológica pode indicar uma condição que requer atenção médica.

Para além disso, por vezes, a tosse pode ser muito prolongada e vigorosa, podendo lesar os pulmões e causar ainda mais tosse.

Por último, a tosse pode ser extenuante, provocar alterações no sono, tonturas ou desmaio, dores de cabeça, incontinência urinária, vómitos e até fraturas das costelas.

Quando procurar ajuda médica

A tosse é considerada aguda se durar menos de três semanas, e considerada crónica se durar mais de oito semanas (quatro semanas em crianças).

Procure ajuda médica se a sua tosse (ou a tosse do seu filho) não desaparecer após algumas semanas ou se tiver expetoração amarelo-esverdeada, sangue na expetoração, falta de ar, pieira, edemas, perda de peso ou deterioração marcada do estado geral.

Perante um quadro de tosse deverá seguir algumas medidas gerais, nomeadamente ingerir bastantes líquidos, descansar e evitar fumo de tabaco e agentes irritativos.

OPÇÕES TERAPÊUTICAS

Os medicamentos para a tosse devem geralmente ser usados apenas quando a tosse é aguda, causa muito desconforto, interfere no sono e não está associada a nenhum sinal de alarme.

Entre as opções terapêuticas disponíveis encontram-se os agentes mucolíticos. Esta classe de medicamentos está indicada em situações de tosse com expetoração, pois ajudam na fluidificação do muco, facilitando a sua eliminação.

Em situações de tosse seca (sem expetoração) pode ser ponderada a utilização de antitússicos. Estes medicamentos suprimem o reflexo da tosse e podem aliviar, assim, o impacto que esta pode ter na qualidade de vida e do sono, mas devem apenas ser utilizados em situações agudas e sem sinais de alarme.

Ler artigo completo